Domingo , 22 Setembro 2019
Home / Cotidiano / Moradores do Colina das Flores aguardam por área de lazer há mais de quatro anos

Moradores do Colina das Flores aguardam por área de lazer há mais de quatro anos

Moradora cobra em seu perfil em rede social a necessidade de área de lazer para moradores do residencial, que segundo ela está prevista no projeto, mas ainda não foi executada.

1
Kelli Regina Vieira

Kelli Regina Vieira, que mora na última quadra do Residencial Colina das Flores, no número 505, foi uma das primeiras moradores do local. Há poucos dias, a moradora postou em sua página pessoal em rede social, uma reclamação quanto à demora da construção da área verde destinada ao lazer dos moradores, especialmente das crianças, que ganham as ruas por não ter um espaço adequado para recreação.
Junto com fotos da área que seria destinada ao espaço, a moradora fez a seguinte declaração. “No momento em que toda a sociedade está insatisfeita com o quadro político atual eu também vim mostrar minha insatisfação. Isso era para ser uma pracinha (quando se refere às fotos publicadas). Sou uma das primeiras moradoras do Colina e no projeto havia uma “área verde” destinada ao lazer, bom a natureza providência o verde né. Não queríamos muito só o básico que foi prometido (campo de areia, balanço, calçada e bancos). Entra político e sai político e continua na mesma. Mais com certeza há muitas explicações, falta de verba, não cabe no orçamento, está fora das prioridades, está sendo feito no bairro próximo e etc…”, relatou a moradora em sua rede social.
A reportagem do Jornal O Celeiro visitou a área que motivou a reclamação e conversou com Kelli sobre a necessidade do espaço destinado ao lazer dos moradores. “Quando a gente foi levada lá no auditório da Casa da Cultura para a explanação do projeto, foi informado que ia ser um residencial asfaltado e com área verde e o mínimo de estrutura para que você pudesse aproveitar, um campinho e bancos. Demorou um ano para serem construídas as casas e a gente veio morar e por causa da lei orçamentária, essa foi a desculpa que foi dada na época, foi adiado o asfalto. Então três anos e meio depois saiu o asfalto e até a patrola que veio planar as ruas, planou o terreno para a área verde e nós ficamos felizes. O asfalto veio como foi anunciado, mas a área verde ficou por isso mesmo”, relatou a moradora.

2
Terreno que seria destinado a área de lazer

Kelli Regina Vieira relatou também que um dos moradores que veio a falecer providenciava a roçada da área, mas que agora está tomada pelo mato. Segundo a moradora, as crianças procuraram por vários espaços para recreação e até então brincavam no espaço chamado “terrão”, que virou estacionamento e não pode mais ser utilizado. Outra alternativa adotada para recreação era em um terreno particular aberto, onde agora estão sendo construídos dois residenciais. Sem opções, as crianças ganham as ruas e chegaram a desenhar linhas de um campo de futebol em uma das ruas de asfalto. “Agora depois do acidente, que eu estou parada todo esse tempo eu começo a ver as coisas. Aí eles estão brincando na rua de cima, onde está desenhado as linhas de um campinho de futebol na rua. Mas é rua, é perigoso, se passa um doido da vida ali com tudo? Mas eu quero que meus filhos brinquem, que tenham espaço, que eles se divirtam e sejam crianças. Eles tem que brincar”, afirmou.
A moradora reforçou que pelo que foi explanado do projeto, a área verde seria utilizada para lazer também. “A área verde previa um campinho de areia e calçadas com banco. A gente não pede nada além, nós entendemos isso. Basicamente estamos esperando há quatro anos e meio”.
Kelli relatou ainda que buscou ajuda junto aos vereadores Adavilson Telles (Mancha) e Maurílio Castro Campagnoni (Cássio), no intuito de reforçarem seu pedido. Informou também que em visita feita ao Loteamento Faedo, pode verificar que tem toda a infraestrutura necessária, inclusive a praça.

3
Asfalto onde as crianças costumam brincar

Espaço já foi reivindicado na Câmara

Segundo o vereador Mancha, os vereadores estão cobrando do executivo à construção da praça, inclusive com indicações e pedidos. O vereador ressalta, porém, que é uma ação que depende da decisão da administração.
Em mais uma tentativa, Mancha deve incluir o pedido em emenda ao orçamento. “Nós vereadores fizemos a nossa parte, mas não somos nós que executamos. Eu vou propor emenda agora no orçamento, visando garantir recursos, dinheiro para construir a praça, é minha última ferramenta”, informou.

O que diz o executivo

Procurado o Secretário de Planejamento, Diógenes Zoldan, afirmou que a área de lazer deve ser construída pela administração anexa ao Centro de Educação Infantil Eliete Teixeira Lopes, no Conjunto Habitacional Integração, atendendo também aos Moradores do Residencial Colina das Flores.
“Como ele é um residencial que pertence a um bairro, o bairro já tem a infraestrutura suficiente. Ao lado na Creche Eliete Teixeira Lopes tem o campo de futebol, que é aberto e tem uma área comunitária que não tem equipamento comunitário, mas nós vamos fazer agora a praça. Se ele tiver dentro de um bairro ou de uma região que já tenha, não obrigatoriamente tenha que fazer para o loteamento, no caso o Colinas. Vamos fazer a praça lá junto com a creche. Eu não digo agora, mas no início de janeiro é tranquilo. Eu acredito que até metade do ano que vem já esteja pronta. Vai ser uma praça completa lá”, declarou o secretário.
A Praça junto à Creche Eliete Teixeira Lopes será construída com recursos do Governo do Estado, informou também Diógenes Zoldan, que estima um investimento de R$ 200 mil, mais a contrapartida do município.

Asfalto no Conjunto Integração

Diógenes Zoldan informa ainda que o asfaltamento do Conjunto Habitacional Integração pode ser licitado entre dezembro e janeiro, assim que o Badesc liberar os projetos, que já foram aprovados pela Secretaria do Tesouro Nacional – STN. “Com este financiamento do Badesc que já foi aprovado em Brasília, eu acredito que vamos licitar agora em dezembro ou janeiro. Só estamos esperando o Badesc bater o martelo e confirmar. Já foi aprovado na Secretaria do Tesouro Nacional que autoriza o Badesc a emprestar e aí é firmado o convênio com o município, que licita”, esclareceu.
O empréstimo de R$ 3 milhões do Badesc compreende ainda a construção da Praça do Bairro Boa Vista (Cohab), a pista de skate, construção dos passeios públicos nos trechos entre a Estrutura Zortéa e o Bebber Hotel e da Gerwal até a Praça da Rua Genoval Alves Sampaio no Bairro Santo Antonio. “Eu acredito que como os projetos já estão sendo analisados e não são muito complexos, vindo a autorização da STN eles já autorizam a licitar, mesmo ainda analisando os projetos. Se nós quisermos licitar, acho que em dezembro é possível já”, concluiu o secretário de planejamento.

Um comentário

  1. SE NÃO VAI SER CONSTRUÍDA PRAÇA ENTÃO QUE AO MENOS O PODER PUBLICO FAÇA A LIMPEZA DO LUGAR POIS A MUITAS CRIANÇAS QUE BRINCAM NO LUGAR E A MUITOS ANIMAIS EX:(ARRANHA, COBRA E ATÉ UM ESCORPIÃO JÁ FOI ENCONTRADO NESTE LOCAL ) DESDE JÁ AGRADEÇO SE PUDEREM TOMAR ALGUMA PROVIDENCIA E ME COLOCO A DISPOSIÇÃO PARA MAIORES ESCLARECIMENTOS

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *