Quarta-feira , 18 Setembro 2019
Home / Opinião / Colunistas / Mecanismo da Hipotensão Pós-Exercício

Mecanismo da Hipotensão Pós-Exercício

mauricioO nosso sistema circulatório funciona como uma mangueira de jardim: numa extremidade está o coração que, como uma torneira, injeta sangue no sistema; na outra extremidade ficam os diversos órgãos, e a mangueira se subdivide para poder irrigar cada um deles. Conforme variam as necessidades, a cada momento, o corpo pode regular o fluxo de sangue para cada órgão, como se em cada ponta da mangueira houvesse uma pequena torneira.
Logo que iniciamos o exercício, existe uma fase de mediação neurológica coordenada pelo sistema nervoso autônomo. Nesta fase o corpo se prepara para a ação que virá: fecham-se as torneiras de fluxo sangüíneo para todos os lugares em que o corpo puder economizar, e a torneira de sangue para os músculos permanece aberta. Nesta fase chega mais sangue aos músculos, ou seja, eles estão mais perfundidos, só que a atividade de contração ainda não é máxima e, portanto, os vasos não estão ainda completamente dilatados. Por este motivo, no início da atividade física, pode haver um aumento da pressão.
O exercício do tipo dinâmico é aquele em que ocorrem contrações rítmicas e constantes de grandes grupos musculares, por exemplo, andar, correr, pedalar e nadar. Em oposição a ele, existe o exercício estático, no qual a contração muscular é mantida até um pico de força, depois ocorre relaxamento.
O tipo de contração muscular do exercício dinâmico é aquele que causa maior vaso dilatação, com isso a pressão vai aos poucos caindo. Porém, o pico de queda da pressão só ocorre após o término da atividade física, ele chega a atingir 20 mmHg de queda na pressão sistólica e geralmente ocorre 30 minutos após o final do exercício. A hipotensão pós-exercício se prolonga ainda por 3-4 horas após o término.
A hipotensão pós-exercício se deve a vários motivos: com o término da atividade física, o coração diminui a frequência e o volume de sangue bombeado, os músculos param de se contrair ritmicamente, mas os mediadores liberados, entre eles o ácido lático permanecem na circulação e mantém a vaso dilatação. Além disso, o exercício causa aumento da temperatura corpórea e para aumentar a perda de calor ocorre mais vaso dilatação, o território vascular que irriga a pele se dilata, a pessoa fica vermelha e aumenta a sudorese.

Por: Maurício Azevedo – CREF 9159-G/SC
Personal Trainer
Especialista em Atividade Física e Performance Humana
Licenciado e Bacharel em Educação Física
Diretor Geral da Academia Estação Saúde

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *