Quarta-feira , 18 Setembro 2019
Home / Saúde / De olho no verão

De olho no verão

Nutricionista orienta para consumo de água e cuidados com a alimentação. Especialista em treinamento, fala sobre a prática do exercício físico, alertando para a necessidade de uma atividade orientada.

O verão começou oficialmente nessa quarta-feira, 21 de dezembro de 2016, às 8h44min e vai até o dia 20 de março de 2017, às 7h29min, no horário de Brasília. Hidratação, cuidados com a alimentação e proteção solar são algumas medidas importantes para o organismo não sofrer com o excesso de calor. Com os dias de calor intenso e sensação térmica de temperatura ainda mais alta, todo cuidado é pouco para evitar doenças típicas da estação.

Dar preferência à agua para hidratar o corpo

Michele Rossi – Nutricionista

As altas temperaturas interferem no nosso organismo. A nutricionista Michele Rossi, explica que a exposição ao calor faz com que o organismo trabalhe para resfriar o corpo, provocando mais suor e desidratação. Por isso a importância da ingestão de água. “As altas temperaturas e a nossa exposição a estas altas temperaturas, faz com que nosso corpo precise trabalhar para resfriar e se manter em 36 graus. Então qual é o primeiro mecanismo pra isso, o suor. No suor ocorre a perda de água e sais minerais, como sódio e potássio e perdendo isso nosso corpo tende a ficar mais desidratado. Para evitar essas perdas, dever haver um consumo maior de água, estar sempre se hidratando. A água não pode ser substituída por chá, suco ou chimarrão, porque é o único líquido que realmente hidrata. Claro que tem outras fontes, mas a principal é a água. Pode-se consumir chá ou suco, mas nunca deixar de tomar água”, orientou a nutricionista.

A recomendação é a ingestão de dois litros de água ao dia, porém, essa quantidade pode variar entre as pessoas. Michele reforça que não se deve esperar sentir sede para consumir água. “Nós não devemos esperar sentir sede para consumir a água, porque a sede já um sintoma da desidratação. A gente sempre faz uma base de consumo de água de dois litros por dia para o adulto, porém, cada pessoa tem uma taxa metabólica basal e uma necessidade de água diferente, isso tem que ser calculado e quem calcula é o profissional nutricionista”.

Alerta também para cuidados especiais com crianças e idosos. “Crianças tendem a desidratar mais rápido, assim como os idosos, porque eles são mais frágeis, tem até a questão de pele, que é mais frágil e muitas vezes eles não têm a noção de que tem que tomar água. Então sempre é bom estar estimulando”, orientou Michele.

A água deve ser de qualidade, filtrada ou fervida e deve-se evitar a exposição de garrafas ou copos descartáveis, pois pode haver a liberação de compostos que são tóxicos e afetam a saúde humana.

Alimentos devem ser leves e frescos

Michele Rossi informa ainda que com o calor, alimentos que dificultam a digestão, devem ser evitados. “Como nosso corpo estará tentando equilibrar essa temperatura, a nossa taxa metabólica basal, que é o que necessitamos de energia por dia, vai estar diminuída. O corpo já não está mais tentando se aquecer como no inverno, por isso você não pode consumir alimentos que vão exigir muito esforço para digerir, por exemplo, alimentos gordurosos, frituras e os ricos em sódio, que também podem desidratar. Preferir alimentos mais leves, frescos, como frutas, legumes e alimentos integrais, nada que faça a gente se sentir muito pesado após as refeições”.

Outra dica é não consumir grandes refeições, tendo um controle na quantidade de alimentos. Para isso o ideal é fazer de cinco a seis refeições ao dia, com as três principais que são café da manhã, almoço e jantar, intercalando de dois a três lanches, pela manhã, à tarde e antes de dormir, sempre em pequenas porções. O consumo de frutas e legumes da estação, podem baratear o custo.

Cuidados com alimentação em viagens

O primeiro exemplo dos problemas de saúde que ninguém está livre no verão são as intoxicações alimentares. A tão temida dor de barriga, vômito, diarreia, febre e um mal estar terrível podem simplesmente arruinar as suas férias. Por isso, os cuidados com a alimentação devem ser redobrados em viagens. “Em altas temperaturas as bactérias que podem causar intoxicação alimentar, também se reproduzem mais rápido, então ter um cuidado com alimentos como carnes, leite e ovos, não é só com a maionese. Não só em restaurantes, mas também em casa, as condições sanitárias devem ser adotadas. Cuidar para que não fique nada que seja manipulado ou perecível mais que duas horas nesta temperatura ambiente. Muitas pessoas gostam de levar lanches para a praia, então cuidar para não ter nada com leite, ovo ou carne, preferir legumes, verduras ou frutas, porque o risco de intoxicação alimentar no verão é muito alto”, concluiu Michele Rossi.

Altas temperaturas também requerem cuidados especiais para atividades físicas

A chegada do verão incentiva muitas pessoas a praticar exercícios. Além das altas temperaturas, que devem ser observadas, começar uma atividade física sem o preparo adequado pode trazer uma série de problemas. Distensões, contraturas e outras dores musculares, além de queimaduras, insolação e desidratação decorrentes da excessiva exposição ao sol são as adversidades mais comuns.

Necessidade de uma atividade física orientada

Eliton Zanoni, educador físico, especialista em Treinamento Desportivo e Personal Trainer

O educador físico, especialista em Treinamento Desportivo e Personal Trainer, Eliton Zanoni, afirma que a o ideal é uma atividade física orientada. “Tanto no verão como no inverno, a maior preocupação é que todos tenham uma orientação. O primeiro requisito é ter um professor do seu lado para fazer todos os exercícios de forma correta. Vejo muitas pessoas fazendo atividade física fora da academia, sempre sozinhas, isso é um risco de executar movimentos de forma incorreta. Para uma pessoa, por exemplo, que sofre de artrite, é obesa ou sedentária que não praticava exercícios, pode fazer movimentos errados e ao invés de ter um benefício, pode vir a ter prejuízos para sua saúde”, alertou Eliton.

Local ideal para atividade física ao ar livre

Para quem opta por exercícios ao ar livre, como caminhadas e corridas, que são as práticas mais comuns, deve haver preocupação com o local ideal para estas atividades. “A gente tem aqui a pista de atletismo que fica ao lado do Ginásio Humberto Calgaro, é o lugar ideal, toda com brita. O asfalto é um piso mais duro, mais rígido e para alguém que está iniciando uma atividade física começa a prejudicar as articulações. Quando você tem uma atividade em um gramado ou em uma pista em pó de brita, o atrito diminui e na pista há bem menos movimento e os veículos não atrapalham o exercício”, esclareceu o educador físico.

Horário ideal

Outra dica, orienta Eliton, é optar pelos melhores horários para o treino ao longo do dia. O mais indicado é se exercitar nos períodos da manhã e da noite, pois o calor diminui significativamente. “Tem que tomar muito cuidado porque o verão em Campos Novos embora não seja tão rigoroso, o sol é muito quente. Então atividades antes das nove horas da manhã e depois das quatro da tarde, mas o ideal é depois seis horas da tarde. Inclusive pesquisas indicam que a atividade física depois das seis da tarde é o horário adequado, porque nossa frequência cardíaca está mais preparada”.

Respeite os limites do seu corpo

Conhecer e respeitar os limites do seu corpo também é importante para obter resultado nos treinos físicos, disse o professor. “Essa é uma maior preocupação. Se as pessoas vão procurar uma atividade de corrida, por exemplo, comece devagar, com uma caminhada de 30 minutos. A Organização Mundial da Saúde dá este parâmetro, que as pessoas que queiram sair do sedentarismo, devem iniciar com 30 minutos de caminhada, aumentando a intensidade aos poucos. Essa intensidade pode ser intercalada com caminhadas ou corridas, determinadas por tempo ou por metro. Pode intercalar 100 metros caminhando, 100 metros correndo ou por tempo, um minuto caminhando e um minuto correndo”.

Antes de iniciar uma atividade física é importante que todos façam uma avaliação médica, a fim de saber se está apto ou não à prática.

Benefícios da atividade física

Independentemente da estação do ano, a prática da atividade física deve ser frequente, durante todo o ano. Para Eliton Zanoni, o ideal é no mínimo três vezes na semana, para quem está iniciando. O principal benefício é a qualidade de vida. “Qualidade de vida e atividade física estão completamente relacionadas. Quando você começa a fazer um exercício você automaticamente se alimenta e dorme melhor. E isso é muito favorável tanto para a obesidade, quanto o envelhecimento saudável. As pessoas vão ficando mais velhas, ficam mais encurtadas, perdem massa muscular, o que pode ser prevenido com a atividade física. Muitas pessoas nos procuram com artrite, artrose, problema de coluna, tudo isso é má postura e falta de fortalecimento muscular. O sedentarismo também gera problemas coronarianos, com risco de morte. Todos deviam colocar em sua agenda, de uma hora à uma hora e meia de exercício físico por dia”, alertou Eliton.
Atividades físicas esporádicas, como o futebol uma vez por semana não suprem a necessidade do exercício físico, disse ainda o Personal Trainer. “Quando você faz exercício físico teu corpo demora de um a três para recuperar. Então se você faz exercícios apenas uma vez por semana, dá tempo de recuperar e perder novamente o que ganhou. Então a sequência seria de três vezes na semana no mínimo, mas o ideal é a atividade física diária, para melhorar a qualidade de vida e a estética, tão valorizada nos dias atuais”, finalizou Elilton Zanoni.

*Reportagem publicada no jornal ” Celeiro”, Edição 1460 de 22 de Dezembro de 2016.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *