Quarta-feira , 18 Setembro 2019
Home / Cotidiano / Natal: tempo de celebrar a vida

Natal: tempo de celebrar a vida

Luzes e pinheiros enfeitados. Mais um Natal chegou. Com a data se intensificam as confraternizações e a troca de presentes. Mas qual é o verdadeiro sentido do Natal?

Genoir Pieta

Sobre a celebração da data, conversamos com o Vigário Paroquial da Paróquia São João Batista, Padre Genoir Pieta. “Para muitos, Natal é um dia especial em que as pessoas viajam para rever parentes e amigos. Para outros, Natal é ocasião de fazer festa, uma oportunidade para deixar extravasar sentimentos e desejos. Para muitas crianças, é uma data desejada e esperada com ansiedade para ganhar presentes. Para outros, talvez seja mais um dia de feriado e nada mais. Para os empresários e comerciantes, é um dos eventos festivos que abre maior espaço para vendas em todos os aspectos. Talvez, para muitos, o Natal seja um momento do ano em que as famílias se reúnem para se alegrar e agradecer a Deus por mais um ano que passou. Na verdade, a maneira como muitos comemoram o Natal tem pouco a ver com o nascimento de Jesus”, afirmou.

Conforme o sacerdote, o Natal é a festa religiosa cristã que celebra o nascimento de Jesus Cristo. A sua comemoração acontece no dia 25 de dezembro, mas a Bíblia não diz nada sobre o dia exato em que Jesus nasceu. Por isso, no começo do cristianismo, o Natal não fazia parte das tradições cristãs. O dia 25 de dezembro foi estabelecido pela Igreja Católica o ano de 350, através do Papa Julio I, para substituir uma festa pagã em honra de Saturno.

A história do Natal está descrita na Bíblia, no Evangelho de Mateus e de Lucas. De acordo com esses evangelistas, Jesus nasceu em Belém, em um estábulo. Um dos textos mais conhecidos sobre o Natal se encontra na Bíblia, em Lucas 2:1-14. Padre Genoir reforça que para o cristão, o Natal tem um sentido não apenas humano, mas profundamente espiritual, é o que se pode aprender a partir do que escreveu Mateus sobre o nascimento de Jesus, observou o sacerdote. Representa o amor de Deus pela humanidade. “O verdadeiro significado do Natal é o amor de Deus por nós. S. João 3:16-17 diz: ‘Deus amou de tal maneira o mundo que lhe deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para julgar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele’. Portanto, o verdadeiro significado do Natal é a celebração deste ato de amor incrível de Deus para conosco. A verdadeira história do Natal é a história do Filho de Deus se tornando um ser humano na Pessoa de Jesus Cristo. Mas por que Deus fez isso? Porque Ele nos ama! O Natal foi necessário porque precisávamos de um Salvador! Mas por que Deus nos ama tanto? Porque Ele é o próprio Amor (1 João 4:8). Então, a cada ano celebramos o Natal como expressão de gratidão pelo amor que Deus demonstrou para conosco, enviando-nos o Seu Filho como Salvador. E lembramos o nascimento de Jesus porque foi através de Jesus que Deus nos manifestou o seu amor”.

Para que esta celebração aconteça de fato, é necessário que as pessoas se preparem para vivenciar o Natal em sua plenitude. Padre Genoir ressalta que quando Jesus estava para iniciar a sua missão, João Batista convidou o povo a se preparar para recebê-lo. João Batista convidava o povo à conversão e indicava o que cada um devia fazer. “Ele usava imagens como endireitar os caminhos tortuosos, encher os vales, abaixar os morros, tornar o caminho plano e reto. E fustigava os maus com palavras muito duras, exigindo sinais concretos de conversão e de retidão de vida. Nós poderíamos traduzir essas imagens em palavras simples dizendo: deixar o caminho errado corrigindo as distorções do comportamento, deixar o orgulho e a soberba, não ser omissos nem preguiçosos, ser justos e honestos, praticar o bem e a justiça. Acho que hoje poderíamos fazer o mesmo”, destacou.

A celebração do Natal é o momento de se fortalecer na fé e na caridade. “Para nos prepararmos para o Natal, precisamos rever o nosso comportamento, ver se temos atitudes que podem ser melhoradas, se temos algo a corrigir, mas, sobretudo, precisamos fortalecer a fé e a caridade, praticar as boas obras e crescer no amor a Deus e ao próximo. O Natal deveria nos proporcionar um encontro com Jesus Cristo, na fé e na caridade. Mas como fazer isso? Nós encontramos Jesus na Eucaristia, na Palavra de Deus, nas celebrações, na comunidade, na pessoa do próximo, a começar com as pessoas de casa. Se precisarmos do seu perdão, devemos procurar a confissão sacramental, com um sacerdote. Mas não deveríamos passar o Natal sem participar das celebrações da Igreja, na Missa ou na comunidade. Depois, sim, podemos fazer festa. Porque Natal sem Jesus não é Natal”, enfatizou o sacerdote.

A importância de celebrar o Natal em família também foi lembrada. “Deus é família: Pai, Filho e Espírito Santo. O Filho de Deus, ao vir ao mundo, quis ter uma família. Jesus nasceu numa família. A família, naturalmente, é o berço da vida e do amor! No plano da natureza e do Criador, é na família que a pessoa nasce, cresce e se realiza. Jesus Cristo santificou a família nas bodas de Caná. O Natal em família está no seu ambiente natural e próprio. Celebrar o Natal em família é necessário, importante e bom. Mas os cristãos, através do batismo, fazem parte da família dos filhos e filhas de Deus. É com essa família ampliada que se deve celebrar, em primeiro lugar, o nascimento de Jesus Cristo. E isso se dá na Liturgia. Depois, o melhor lugar, é na família mesmo, na família natural”, orientou Padre Genoir Pieta.

Mensagem

Padre Genoir também deixou a todos uma mensagem.

“A cada ano a vida renasce e a esperança se renova. Celebrar o Natal é celebrar a vida e renovar a esperança. Para nós, cristãos, que acreditamos em Cristo e procuramos seguir seus ensinamentos, este tempo natalino é muito especial, porque nos faz pensar num Deus que se fez muito próximo de nós, assumindo a nossa natureza, a nossa linguagem, a nossa cultura e o nosso modo de viver. O Deus, que parecia tão distante e inacessível, apareceu feito criança, tão pequenino e tão frágil, tão lindo e amável, como jamais poderíamos imaginar. Assim, a partir do nascimento do Deus-Menino, chamado de Emanuel, porque é o Deus conosco, nasceu em nós a confiança de nos aproximarmos dEle e dizer que O amamos. Como não amar um Deus tão amável, tão humano e tão acessível? Se os anjos cantaram: “Glória a Deus nos céus e paz na terra às pessoas de boa vontade”, aproximemo-nos com confiança ao trono da graça, como diz o Apóstolo. E nada melhor do que procurar seguir seu exemplo e seus ensinamentos. Queremos viver e viver bem? Ele nos diz: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”! Temos medo dos problemas e das dificuldades? Ele nos diz: “Coragem. Eu venci o mundo”! Esse menino tão frágil e tão meigo é o todo poderoso Rei do Universo!
Vale a pena escutá-Lo, amá-Lo, segui-Lo e servi-Lo! Porque “onde Eu estiver estará também o meu servidor”.
Feliz Natal a todos”!

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1460 de 22 de Dezembro de 2016.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *