Terça-feira , 17 Setembro 2019
Home / Agronegócio / Aposta na diversificação

Aposta na diversificação

Produtor obtém na produção de cenoura excelentes resultados no campo. Produção já chegou a mais de 90 toneladas por hectare.

Mirco Pletsch

Com um mercado que varia muito, a cenoura é bastante cultivada pelos brasileiros e se mostra uma atividade rentável no fim de cada temporada. A cenoura está entre as cinco principais hortaliças cultivadas no Brasil com área superior a 20 mil hectares e com produção acima de 700 mil toneladas por ano.

Mesmo sendo um município predominantemente agrícola e conhecido como o “Celeiro Catarinense” de grãos, agricultores de Campos Novos, vem investindo em outras culturas que têm garantido bons lucros.Uma delas é a plantação de cenoura, atividade explorada pelo produtor camponovense Mirco Pletsch desde julho de 2014. Sua propriedade está localizada no Caxambu, interior de Campos Novos, onde destina cerca de 80 hectares à produção da hortaliça.

O produtor que hoje destina também aproximadamente 200 hectares à cultura da soja, relata que já investiu mais na produção da oleaginosa, mas após frustrações no retorno financeiro, apostou nas culturas de alho e cebola, para diversificar sua propriedade, no entanto teve grandes prejuízos ocasionados pelo clima, foi então orientado a investir na produção de cenoura, que hoje oferece uma melhor produtividade e rentabilidade no campo.

De acordo com Mirco Pletsch, o cultivo da cenoura apresenta-se como uma alternativa rentável em função das cultivares altamente produtivas e adaptadas às condições climáticas brasileiras e das boas cotações da raiz no mercado, além da possibilidade de se fazer mais de um plantio por ano, visando o melhor aproveitamento da área e obter maior lucro.

“Atualmente trabalhamos com a variedade de semente de cenoura Siroco, que apresenta a raiz lisa, planta vigorosa, além de uma excelente produtividade, qualidade e uniformidade de raízes e boa resistência a doenças foliares, com excelente coloração interna e externa. O plantio de cenoura é dividido entre duas épocas de cultivo, sendo a cenoura de verão e a cenoura de inverno. A cenoura de verão tem seu plantio iniciado no mês de dezembro, se estendendo até meados de julho. Já o cultivo de inverno é o oposto, tendo seu plantio iniciado em julho e término no mês de dezembro”, explicou o produtor.

Produtividade

Conforme Mirco Pletsch, a produtividade média da cenoura de verão é inferior à cenoura de inverno, estando em torno de 50 toneladas por hectare (t/ha).

O cultivo de inverno é muito mais produtivo, podendo alcançar 70 t/ha nos meses de julho/agosto. Sobretudo, em outubro/novembro esta produção pode alcançar 80 t/ha, visto que as condições são mais favoráveis. “Em julho do ano de 2015 foram colhidas cerca 90 t/ha. Um recorde até então”, lembra o produtor.

De acordo com Mirco Pletsch, por meio da comparação dos grupos de cultivares oriundas das diferentes safras de cenoura, é possível estabelecer uma relação de custo-benefício, em que a produção e o investimento demandados por essas duas épocas de plantio são diferentes.

“O cultivo de verão é o mais realizado, porém, o investimento é maior por conta chuvas e irrigação que nesse caso se faz necessária, quando comparado ao cultivo de inverno. Analisando a produção dos grupos de cultivares citados em suas respectivas épocas utilizando dados obtidos pela Embrapa, é possível perceber a disparidade da produtividade, uma vez que, enquanto o cultivo de inverno tem produtividade média superior a 80 t/ha, o cultivo de verão produz cerca de 50 t/há”, ressalta.

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1508 de 07 de dezembro de 2017.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *