Quarta-feira , 18 Setembro 2019
Home / Opinião / Colunistas / Camilo Dorneles / Ser idoso, ou ser velho? Eis a diferença

Ser idoso, ou ser velho? Eis a diferença

Camilo Dorneles

Cansamos de ouvir várias vezes sobre o espírito da juventude, ou até mesmo o velho ditado, que envelhece a carne, mas o espírito deve se manter jovem, ou seja, pode envelhecer o corpo, mas não o ser.

O Brasil em um último senso realizado bateu um número de cerca de 30 milhões de pessoas acima de 60 anos, equivalendo 1/3 da população, sendo que o número de crianças é bem inferior, aonde que num futuro próximo nossa população é uma população da melhor idade, assim como eles mesmos gostam de se dizer.

Conheço idoso que levanta no clarear do dia e fazer sua caminhada matinal, vão a academias ao ar livre, e faz pouco tempo, eu e minha companheira em um evento tradicionalista, no qual participaram um casal de idosos de aproximadamente 80 anos, bailaram a noite toda, e sem muitos intervalos, deixando o público boquiaberto (inclusive eu e ela), e isso nos faz refletir sobre alguns aspectos.

Todos nós temos pessoas idosas ao nosso redor, familiares, colegas de trabalho, de convívio, e com eles, nós aprendemos e trazemos uma grande bagagem de conhecimento e sobrevivência.
Meu maior prazer e gratidão é sentar ao lado de uma pessoa idosa, e com ela ouvir seus relatos, histórias, passagens épicas que nos emocionam apenas de ouvir, imagina só viver tal momento.
Meu bisavô veio a falecer com seus 92 anos, numa memória invejável, contando seus casos de tropeadas e relances de uma vida cheia de fé e pensamentos positivos.

Devemos sim, nos espelhar nessas pessoas, que já tiveram sua bela parcela de vivência e sempre, aproveitar o que de bom nos falam e nos apresentam. Hoje em dia as coisas estão muito fáceis, tudo esta ao alcance das nossas mãos, mas o que eu digo, é sobre o conformismo, de olhar pra trás, e ver o que nossos antepassados tiveram as dificuldades que enfrentaram, sem contar que as famílias eram o triplo, até mesmo o quádruplo de filhos dentro da mesma residência, e mesmo assim os bons costumes e os valores nunca se deixaram abalar, a fé em Deus sempre foi maior, que por maior que viesse a tempestade eles sabiam que a calmaria vinha.

Hoje vemos asilos lotados, pessoas idosas sendo abandonadas, mas ao mesmo tempo vejo idosos, aonde a família cuida com o maior carinho e dedicação, com um zelo incondicional, e um amor infinito.

Com isto, é você quem escolhe, se quer ser idoso, ou quer ser velho, Idoso é a pessoa que avançou a idade, e velho é quem perdeu a jovialidade.

Você é idoso quando pergunta se vale a pena, você é velho quando sem pensar responde que não. Você é idoso quando está pronto a correr riscos, você é velho quando procura correr dos riscos. Você é idoso quando sonha, você é velho quando apenas dorme. Você é idoso quando ainda aprende, você é velho quando já nem ensina. Você é idoso quando pratica esporte ou de alguma outra forma se exercita, você é velho quando apenas descansa. Você é idoso quando ainda sente AMOR, você é velho quando só sente ciúmes e possessividade. Você é idoso quando o dia de hoje é o primeiro do resto de sua vida, você é velho quando todos os dias parecem o último da longa jornada. Você é idoso quando seu calendário tem amanhãs, você é velho quando seu calendário só tem passado.

O idoso é aquela pessoa que tem tido a felicidade de viver uma longa vida produtiva, de ter adquirido uma grande experiência, ele é uma ponte entre o passado e o presente, como o jovem é uma ponte entre o presente e o futuro e é no presente que os dois se encontram. O velho é aquele que tem carregado o peso dos anos, que em vez de transmitir experiência às gerações vindouras, transmite pessimismo e desilusão. Para ele, não existe ponte entre o passado e o presente, existe um fosso que o separa do presente pelo apego ao passado.

O idoso se renova a cada dia que começa, o velho se acaba a cada noite que termina, pois enquanto o idoso tem seus olhos postos no horizonte de onde o sol desponta e a esperança se ilumina, o velho tem sua miopia voltada para os tempos que passaram. O idoso tem plano, o velho tem saudades. O idoso curte o que lhe resta de vida, o velho sofre o que o aproxima da morte. O idoso se moderniza, dialoga com a juventude, procura compreender os novos tempos, o velho se emperra no seu tempo, se fecha em sua ostra e recusa a modernidade.

O idoso leva uma vida ativa, plena de projetos e preenche de esperanças. Para ele, o tempo passa rápido, mas a velhice nunca chega. O velho cochila no vazio de sua vidinha e suas horas se arrastam destituídas de sentido. As rugas do idoso são bonitas porque foram marcadas pelo sorriso, as rugas do velho são feias porque foram vincadas pela amargura.

Para finalizar, quero aqui deixar um pensamento simples e direto…

A juventude é a época de se estudar a sabedoria; a velhice é a época de praticar…

Por: Camilo Dorneles
Palestrante Motivacional, Comunicador e Orador
camilodorneles@hotmail.com

*Coluna publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1540 de 02 de agosto de 2018.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *