Quarta-feira , 14 Novembro 2018
Home / Agronegócio / A importância do clima para o Agronegócio

A importância do clima para o Agronegócio

Apesar das previsões do tempo, produtor rural deve sempre ter um plano de contingência

O setor do agronegócio é muito importante para a economia brasileira e também para alimentação da população. A agricultura, especialmente, é essencial para alimentação humana e animal. Uma boa safra é o que todo agricultor deseja para fazer bons negócios e conseguir ter rentabilidade. Uma boa safra depende de muito trabalho e esforço, mas também depende da situação climática, que é algo que está além do controle do produtor. Às vezes, o produtor rural precisa contar com a sorte, desejando que o clima colabore com a plantação, tanto o excesso quanto a falta da chuva podem influenciar direta e gravemente uma plantação. Para lidar com essas situações o produtor deve conhecer bem o clima de sua região e também elaborar um plano de contingência no caso de haver alguma situação emergencial. Na agricultura, em todo o mundo, as perdas anuais são estimadas em bilhões de dólares.

O agrônomo Elton Cunha explica que a agricultura é totalmente dependente da condição climática, segundo ele, a quantidade de chuva e a temperatura são fatores que intervém nas colheitas e na produção das lavouras. É importante estar a par da meteorologia para não ser pego de surpresa, mas mesmo assim, existem algumas situações que fogem do controle e contradizem os termômetros do tempo. Na falta de chuva as plantações podem sofrer bastante, pois a presença de água é fundamental para que a planta desenvolva seu processo metabólico. Neste caso específico os produtores se antecipam por implantar um sistema de irrigação que garantira que as plantas recebam a quantidade de água necessária para sua sobrevivência.

A situação climática, especialmente no inverno, traz inúmeros riscos as plantações. A presença de chuva é importante, mas o excesso de água também é perigoso, podendo causar alagamentos e inundações, além de favorecer o surgimento de doenças, que podem causar a perda da colheita. Muito comum na região são as geadas que também são grandes vilões das plantações. A geada é o orvalho que fica congelado nas plantas, no inverno é possível enxergar a natureza toda branquinha, com as folhas das árvores com uma fina camada de gelo, para muitos a imagem é bonita, mas para o produtor rural que plantou hectares de terra este cenário pode representar grandes perdas e prejuízos financeiros, em alguns casos o produtor precisa realizar um replantio. Como não é possível ter um controle sobre o tempo os produtores tentam driblar os perigos de diversas maneiras. Em alguns casos os produtores tentam prever, com base na meteorologia, as situações climáticas e desta forma eles decidem realizar o plantio uns dois meses antes do período das chuvas e geadas. Outra alternativa é a utilização de estufas, que são estruturas usadas para proteger algumas plantações contra possíveis ameaças externas.

A região de Campos Novos tem um clima temperado que favorece a produção de muitos grãos, tanto que o município recebe o nome de celeiro catarinense, mas não é um trabalho fácil manter uma boa produção. Estamos numa estação de transição, que é a primavera, períodos em que o frio e o calor se intercalam. Nesta estação é comum os temporais de fim de tarde, que podem trazer alguns problemas para a plantação. Mas no geral o clima foi favorável para a plantação das culturas da região. Os produtores comemoram a estabilidade do clima que provavelmente irá proporcionar uma boa safra.

O meteorologista do Clima-Terra, Ronaldo Coutinho, informou que este ano o a temperatura e as chuvas colaboraram com as plantações, pois não houve extremos no inverno, e no verão a temperatura irá permanecer estável. Mas ele alerta que há a possibilidade de geadas e de chuvas de granizo que são comuns na região. “Tivemos um inverno típico, com temperaturas não tão baixas, e favoreceu o produtor rural. E a previsão para os próximos meses também é boa”, garante. Segundo ele, a primavera está seguindo o ritmo dela, e é provável que a partir da segunda quinzena de outubro as chuvas caiam com mais frequência com possibilidade de geadas. Os produtores que erraram o período de plantação correm o risco de pegar a geada e ter sua plantação prejudicada. O verão que se aproxima será bem quente, mas com a presença de alguns temporais que deverá acontecer com mais constância a partir da segunda quinzena de dezembro, e há uma chance pequena de que haja pausas nas chuvas em meados de janeiro.

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1550 de 11 de Outubro de 2018.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *