Terça-feira , 13 Novembro 2018
Home / Saúde / SAÚDE NA EMERGÊNCIA

SAÚDE NA EMERGÊNCIA

Caso Isabela: Morte da adolescente levanta questões sobre a saúde em Campos Novos

Morte da jovem revoltou a população que exige melhorias no atendimento

Isabella Tanholi Ruiz

O caso da jovem Isabella Tanholi Ruiz de 17 anos que morreu em decorrência de uma infecção na apendicite tem gerado muita comoção entre a pessoas e levantado questões sobre a situação no hospital José Athanázio. A jovem deu entrada no hospital no dia 4 com fortes dores abdominais, ao ser atendida e submetida a exames ela foi medicada e após melhorar o médico a liberou. Nos demais dias Isabela voltou a sentir dores retornando ao hospital aonde ficou internada, mas os exames feitos deram normalis, e os médicos não conseguiram chegar a um diagnóstico. Mas como a situação foi piorando, Isabela foi encaminhada para um hospital em Joaçaba aonde descobriram que o caso se tratava de uma apendicite, mas ela não resistiu, pois a infecção estava muito grave.
O caso de Isabela chocou a cidade e muitos culparam o hospital por negligencia em detectar o que causara as fortes dores. Os meios de comunicação em busca de repostas conversaram com as autoridades competentes para averiguar o fato da jovem ter passado por tudo isso. Segundo o diretor do hospital Isabela foi atendida logo, portanto não se pode dizer que o caso tenha a ver com a demora no atendimento, mas alguns usaram esse discurso para fazer cobranças e questionam que a demora e a falta de mais um médico tem dificultado a vida das pessoas que precisam de atendimento. O diretor salientou que isso se dá porque 90% dos casos que chegam ao hospital não são emergenciais. “Bateram na tecla do segundo médico, estão usando esse argumento para comprar uma briga. Ela chegou na quinta-feira e em questão de 3 minutos ela foi atendida, não tem a ver com um segundo médico”, explica.

Manifestação de pais e amigos na Câmara Municipal de Vereadores

A Câmara de Vereadores se mobilizou para destacar as necessidades de mudança e melhoria na saúde do município. Alguns pontos levantados dizem respeito a necessidade de mais médicos plantonistas para acelerar e possibilitar mais atendimentos. Outro ponto é aquisição de mais equipamentos mais modernos e mais eficazes. O diretor lembrou que os mesmos vereadores que cobram melhoras foram os que não aprovaram o projeto de lei sobre a contratação de um OS que facilitaria a contratação de mais médicos, enfermeiros e mais equipamentos. Devido ser um órgão público a burocracia tende a atrapalhar nos processos de contratação e compras. Mas o diretor afirmou que o hospital, após reunião feita com os médicos já tem uma lista de equipamentos que serão adquiridos por meio de licitação, que deverá ser concluído ainda este ano. A família da jovem também se mobilizou para pedir esclarecimentos sobre a morte da jovem. A mãe afirma que o seu interesse não é prejudicar ninguém, mas que deseja que o hospital apresente mudanças, pois outras pessoas já passaram por essa mesma situação.

Ainda outros questionamentos dizem respeito ao médico não ter percebido que o problema seria de apendicite, mesmo com exames normais, o médico, através do seu conhecimento, poderia identificar os sintomas e suspeitar do caso. Mas o diretor afirma que o médico é um bom profissional e que confia que não houve negligencia por parte dele. “Pelo que foi percebido em conversa com o médico foi realizado o atendimento, ela foi medicada e liberada. Foram feitos exames laboratoriais completos, raio x de abdômen, e deram normais, ela ficou internada e em observação. No domingo de manhã foram repetidos os exames e também deu normal. Foi realizado exame de imagem, mas o ultrassom não evidenciou nada. Ela também fez um eletrocardiograma, e vendo a situação dela preferimos transferir para um hospital aonde tem um recurso maior. A medicina não é uma ciência exata, os exames podem dar normais, como foi o caso, mas ela evoluiu mal”, afirma.

Na Câmara de Vereadores, a secretária de saúde também foi citada, e até sugeriram sua exoneração em virtude das reclamações no setor de saúde. O vice-prefeito Gilmar Marco Pereira falou que a administração tem feito seu melhor e que o trabalho prestado pela atual gestão do hospital os tem deixado contentes.

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, edição 1552 de 25 de Outubro de 2018.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *