Segunda-feira , 22 Julho 2019
Home / Saúde / Médico alerta sobre o vírus HIV que é o principal alvo da campanha, Dezembro Vermelho

Médico alerta sobre o vírus HIV que é o principal alvo da campanha, Dezembro Vermelho

Campanha Nacional faz apelo para prevenção e proteção da Aids

Mundialmente conhecida e estigmatizada, o vírus da Aids tem crescido e causado preocupação nos principais órgãos de saúde. O dia 1 de dezembro é o Dia Mundial de Prevenção a Aids, e no Brasil desde o ano de 1988 temos este dia como marco para aumentar a conscientização e conhecimento da população a respeito da doença. É importante que todos saibam o que a Aids pode causar, quais os tratamentos disponíveis, como buscar um diagnóstico precoce e as formas de prevenção. O médico da Vigilância epidemiológica, Dr. Júlio Ebrain Neris, prestou alguns esclarecimentos a respeito desse assunto, que para alguns ainda é um tabu.

A sigla HIV vem do inglês, mas no português significa Vírus da Imunodeficiência Humana, este vírus é o causador da Aids. Ele ataca o sistema imunológico, que é o sistema que defende o organismo contra doenças. Como explica o Dr. Júlio, o sistema estando comprometido pelo vírus ele se torna deficiente, e dessa forma fica mais suscetível a infecções e outras doenças, que provavelmente não seriam tão prejudiciais se o sistema imunológico estivesse integro. Vale ressaltar que ter o HIV não significa que a pessoa tenha Aids. Há pessoas diagnosticados com o vírus HIV que vivem sem desenvolver a doença e não apresentam sintomas. Porém o soropositivo pode transmitir o vírus para outras pessoas, principalmente através das relações sexuais desprotegidas sem uso de preservativos. Portanto o apelo da campanha é sexo seguro a realização de testes para certificar de que está tudo bem, até porque muitos portadores do vírus desconhecem que estão infectados.

A palavra de ordem da campanha é a prevenção, através do uso de preservativo é possível se proteger de muitas doenças. E a prevenção vale para todos, tendo o vírus ou não. Quem não tem pode se prevenir para não ser infectado, e os que tem o vírus devem usar a camisinha para evitar contaminar seus parceiros sexuais. Segundo dados do Programa das Nações Unidas sobre HIV/Aids – Unaids, toda a semana cerca de 7 mil mulheres entre os 15 e 24 anos são infectadas pelo HIV. Felizmente, ainda segundo os dados da Unaids, vem caindo consideravelmente esse número desde seu pico em 2004. Mas em 2017, 940.000 morreram por doenças relacionadas a Aids em todo o mundo. Mas devido a muitos avanços na medicina por meio de tratamento é possível alcançar uma boa qualidade de vida mesmo sendo portadora da doença.

Mas para ter acesso ao tratamento é importante que seja realizado um teste, a princípio o mais indicado é o teste rápido que pode ser realizado gratuitamente “Temos testes rápidos disponíveis em todos os postos de saúde da rede pública de forma gratuita para que se faça um diagnóstico precoce e logo seja feito um acompanhamento perto com os pacientes que possam ter a doença. Se diagnosticado a presença do vírus o paciente é encaminhado para fazer um tratamento continuo que é ofertado pelo Sistema Único de Saúde. “Com o acompanhamento adequado o paciente pode controlar a doença e ter uma vida normal sem maiores problemas. Caso o paciente seja acometido pela doença não há motivos para receio pois o tratamento disponibilizado atualmente é moderno e eficaz”, garante o Dr. Júlio.

No Dezembro Vermelho a equipe de saúde do município irá incentivar a realização dos testes rápidos que podem ser feitos nos postos de saúde e também no PAM. A equipe da Vigilância Epidemiológica tem somado esforços para atender todos esses pacientes da melhor forma possível e para que se tenha um correto controle e boa qualidade de vida do portador do vírus. “Nossa equipe está disponível diariamente no PAM para maiores esclarecimentos e maiores dúvidas e caso o paciente queira fazer o teste rápido é só procurar o local mais próximo para ser bem atendido”, aconselha Dr. Julio. O médico também reitera a importância do uso do preservativo para garantir um sexo seguro.

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1558 de 06 de Dezembro de 2018.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *