Segunda-feira , 16 Setembro 2019
Home / Opinião / Editorial / Que líder eu sou?

Que líder eu sou?

Fazer o bem. Ajudar o próximo. Fazemos isso porque nos preocupamos com o outro ou simplesmente porque queremos fazer um nome e ser reconhecido por nossos feitos? Se a resposta for positiva às duas perguntas, então, parabéns, é uma atitude louvável. Nem sempre conseguimos conciliar as duas coisas. E, melhor ainda se o fizermos apenas porque temos a preocupação com o bem-estar das pessoas.

Nas últimas edições do ano deste jornal é possível perceber as empresas, entidades e pessoas públicas destacando seus feitos e realizações durante o ano. E muitas ações são bem pensadas e elaboradas e surtem excelentes resultados, e, por incrível que pareça, algumas delas refletem altruísmo genuíno, ou, pelo menos, esperamos que assim seja.

Não queremos fazer julgamentos, ou gerar desconfiança, mas, simplesmente repensar nossas motivações, e dentro dessa introspecção tentar fazer com que nossas ações não reflitam tanto egoísmo, mas que também possam demonstrar amor e respeito pelas pessoas.

Bons líderes promovem ações e mudanças no que está a seu redor, nas leis, nas regras, nos horários, põe em ordem o ambiente. Líderes excelentes promovem e incentivam a mudança nas pessoas ao seu redor, promovem não a mudança mecânica, mas o desejo interno de fazer melhor. O médico psiquiatra, Augusto Cury, em muitas de suas obras faz um comparativo entre os bons e os excelentes, e a diferença é nítida nos resultados de cada um.

Pessoas que exercem funções de liderança podem decidir que tipo de líderes querem ser, bons ou excelentes. Lembrando que bons líderes conseguem promover a si mesmo, mas lideres excelentes promovem não apenas a si, mas a todos que estão de baixo de sua autoridade. Bons líderes são inteligentes. Líderes excelentes são sábios.

Chegar a excelência não é fruto do acaso, não é destino, ou uma questão determinada pelo signo do zodíaco, como muitos acreditam, é uma ação continua de autoconhecimento e disciplina. Requer a prática da inteligência emocional, da honestidade, do respeito, da compaixão, da dedicação e da determinação. Não é fácil, mas é uma ação benéfica que gera excelentes resultados. E se assim for, suas ações, mesmo que estejam em destaque no noticiário, elas nunca serão esquecidas por quem as vivencia.

Por: Por: Priscila Nascimento
Jornalista

*Reportagem publicada no Jornal O Celeiro, Edição 1559 de 13 de Dezembro de 2018.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *