Quarta-feira , 22 Maio 2019
Home / Saúde / População precisa se atentar para medidas de bloqueio contra o Sarampo e Febre Amarela

População precisa se atentar para medidas de bloqueio contra o Sarampo e Febre Amarela

Casos confirmados das doenças na Região Sul deixa o município em alerta. Ministério da Saúde preconiza vacinação.

Há alguns anos o município não registra casos de febre amarela e do sarampo, doenças que foram erradicadas no Brasil, mas recentemente casos confirmados na Região Sul deixaram o Ministério da Saúde preocupado com a possibilidade do retorno dessas doenças. Para tanto as Unidades de Saúde do município que possuem saúde de vacina estão disponibilizando as vacinas de imunização como medida de bloqueio para a entrada das doenças. A vacina contra a febre amarela está no calendário vacinal aonde a criança pode tomar a partir dos nove meses e os adultos podem ser vacinados até os 59 anos. Não podem tomar a vacina: acima de 60 anos, somente com atestado médico, os diabéticos, pessoas com alergia a ovo e imunodeprimidos. A vacina que previne contra o sarampo é a tríplice viral (que imuniza contra a caxumba e rubéola) que deve ser aplicada aos 12 meses de vida, com uma dose de reforço entre quatro e seis anos de idade. Quem já vacinou e tem a carteirinha para comprovar pode ficar tranquilo, mas quem não vacinou ou não tem como comprovar deve fazer a imunização.

Em nota enviada pelo MS foi confirmado o surto de sarampo no Navio Seaview MSC de bandeira de Malta que transita pela costa brasileira nesta temporada, em que 13 tripulantes apresentaram o sarampo. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde (SUV) da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (SES/SC) reforça que a medida mais eficaz para evitar a reintrodução do sarampo é a vacinação, haja vista que no navio haviam pessoas do município de Joaçaba e de Capinzal, cidades que são bem próximas a Campos Novos. Os casos de febre amarela aconteceram no estado do Paraná, aonde dois macacos morreram em virtude da doença. O macaco não é o transmissor da febre amarela, o único responsável pela disseminação do vírus é o mosquito, mas a morte dos animais emite um sinal de alerta de que o vírus está circulando.

No mês de fevereiro o município preparou uma campanha chamando as pessoas para vacinação, aonde houve um Dia D de vacinação contra a febre amarela, contabilizando 255 doses de vacina. Por meio dos meios de comunicação a Secretaria de Saúde vem alertando a população sobre a importância de manter este bloqueio para proteger o município contra um surto dessas doenças. Deixar de seguir a orientação pode ser perigoso, principalmente com relação ao sarampo, que diferente da febre amarela, é transmitido pelo ar. Para garantir que continuemos sem registrar casos das doenças é de grande importância que todos estejam em dias com as vacinas. O enfermeiro Kleber Siqueira relata que muita gente ainda não vacinou e que os postos de saúde do município possuem vacinas disponíveis. “Ainda estamos em situação de bloqueio, então estamos alertando as pessoas para vacinar porque tem muita gente que não vacinou. A população precisa verificar as carteirinhas, senão tiver tomado a vacina ou se não tiver comprovação, é aconselhado que faça a vacina”, alertou. As vacinas estão disponíveis no Posto Bom Jesus, Posto Aparecida, e no Pam.
Os sintomas do sarampo são semelhantes a uma gripe, mas após alguns dias é comum que surjam manchas vermelhas que não coçam e se espalham pelo corpo. A pessoa poderá apresentar febre, dor de garganta, dor muscular e cansaço e vermelhidão nos olhos. A febre amarela tem como sintomas dores musculares em todo o corpo, dor de cabeça, perda de apetite, náuseas e vômitos, e extrema fraqueza e fadiga. No caso de quem apresenta alguns destes sintomas é melhor procurar um médico para se certificar do que se trata.

O Brasil avançou muito na questão da erradicação de doenças, e tudo isso devido as campanhas de mobilização a imunização. Algumas doenças traziam sequelas irreparáveis, ou mesmo, levavam a óbito. Muito se investiu para chegar nesse patamar. Mas, para manter essa realidade é importante que a cobertura vacinal seja feita periodicamente, por isso, mesmo com a erradicação o MS continua incentivando as campanhas de vacinação. Outro fator preocupante é a entrada de muitos estrangeiros no país em busca de ajuda, e alguns, por não estarem devidamente, vacinados podem apresentar alguns riscos, mas com as vacinas em dia, é possível combater e manter bloqueada a entrada dessas doenças e protegendo toda a população.

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1568 de 07 de março de 2019.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *