Quarta-feira , 22 Maio 2019
Home / Opinião / Colunistas / Coluna Livre / Enfrentar Thanos diariamente

Enfrentar Thanos diariamente

Pedro Augusto Neves da Fontoura

Nos últimos dias o mundo acompanhou o enorme frenesi causado pelo lançamento do mais novo filme da série Os Vingadores. Em Ultimato, o supervilão Thanos, estrelado pelo ator Josh Brolin, elimina metade das criaturas terrestres, cabendo aos Vingadores unirem forças para tentar derrotá-lo.

O lançamento, que já é sucesso de bilheteria em pouco mais de uma semana, desbancando o também badalado Avatar, demonstra a força oriunda da resignação dos heróis para a superação dos desafios impostos pelo enredo.

Guardadas as devidas proporções, é o que acontece no dia a dia de nós mortais. Nosso Thanos vem mensalmente disfarçado em prestação do carro, escolas dos filhos, aluguel e uma série de responsabilidades. O grande problema é que, ao contrário daqueles nascidos nas páginas da Marvel, os Vingadores de carne e osso não contam com o auxílio de superpoderes para, no final do mês, sempre conseguir prevalecer sobre os inimigos.

Na verdade, pensando bem, até temos o superpoder de acordar cedo, de aturar aquele chefe ou cliente chato, o poder de um sorriso, ou até mesmo o formidável poder da paciência, mas o fato é que a nossa história infelizmente se repete, com o ressurgimento de Thanos a cada 30 dias, tornando a batalha ingratamente cansativa.

É exatamente este o ponto fraco dos Vingadores reais, nossa criptonita. É isso que faz com que, às vezes, precisemos recorrer ao exílio de uma viagem ainda que curta, de um final de semana no sítio, ou até mesmo aquela ida para a praia, para relaxar e recarregar as baterias.

Dois exemplos muito claros ocorreram nessa semana: As mortes precoces dos dois modelos, ambos no topo de suas carreiras e com toda a vida pela frente, deve ser tida como um claro indicativo de que a nossa batalha é necessária, mas às vezes precisamos buscar a segurança de um final de semana em paz e aproveitar, porque, a qualquer momento, a batalha daquele mês pode ser, de fato, a última.

Por: Pedro Augusto Neves da Fontoura
Advogado. OAB/SC 31.170
Teske, Lara & Neves da Fontoura Advogados Associados

*Coluna publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1577 de 09 de Maio de 2019.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *