Quarta-feira , 22 Maio 2019
Home / Agronegócio / Feira do Terneiro e da Terneira traz novidades em sua 36° edição

Feira do Terneiro e da Terneira traz novidades em sua 36° edição

Paralelo a Expocampos, evento traz o que há de melhor e mais moderno em tecnologia para desenvolvimento da pecuária

O Sindicato dos Produtores Rurais de Campos Novos se prepara para a 36° edição da Feira do Terneiro e da Terneira que acontece em paralelo a 14° Expocampos nos dias 17 a 19 de maio no Parque de exposições Leônidas Rupp. Este ano a Feira irá trazer algumas novidades como a exposição e o leilão de Equinos multiraças e stands de empresas que apresentarão o que há de mais moderno em tecnologia no segmento pecuarista. O presidente do Sindicato, Luiz Sergio Gris, afirma que a expectativa é de que os números sejam maiores que no ano passado. A movimentação financeira em 2018 girou em torno de 950 mil e contou com 528 animais. “Pretendemos fazer uma evolução comparativa com o ano passado tanto financeira quanto em número de animais. Queremos ultrapassar a barreira de pelo menos R$ 1 milhão e chegar a quase 600 animais”, afirmou Gris. As inscrições de animais ainda estão abertas e vão ate o dia 14. A maioria dos produtores que participarão do evento são de Campos Novos. A Feira do Terneiro e da Terneira surgiu como um fomentador da pecuária local ajudando os produtores de pequeno, médio e grande porte a ter acesso a novos conhecimentos na área.

Serão três dias de evento no qual acontecem a exposição, o julgamento e o leilão de animais. Nos dias 15 e 16 os animais inscritos chegam à feira aonde seráo pesados e preparados para o evento. Na sexta-feira (17), será realizado o julgamento de animais a galpão. Serão julgadas as raças: Charolês, Simental, Angus, Hereford e Bradford. A exposição que acontecerá no sábado (18) será com as raças Angus, Charolês, Devon, Hereford, Bradford e Simental. Ainda no sábado, às 13h, acontece o Leilão de terneiros e terneiras na Pista de Arremate do Parque. Na sexta-feira, às 19h30, acontece a primeira exposição e leilão de Equinos, que é uma das grandes novidades do evento. A participação de cavalos surgiu da união de criadores que se movimentaram para que houvesse um espaço para a apresentação de equinos. Cerca de 80% dos criadores são oriundos do município. Outra inovação neste ano é a presença de empresas do segmento da pecuária que estarão alocadas em stands para apresentar seus serviços. Será um shopping da pecuária a céu aberto disponível para todos os produtores e para quem pensa em investir na atividade. As empresas participantes trarão novidades e tendências em tecnologia, inseminação artificial e protocolos de IATF para o produtor usar em suas propriedades. “Será feito uma logística aonde as empresas oferecerão seus serviços aos produtores em stands alocados num espaço especifico”, explicou Gris.

Luiz Sergio Gris

Ano passado a raça Angus fez seu maior julgamento de animais de argola em Campos Novos na expocampos. Mas, além de toda a força conquistada pela raça Angus, a Expocampos contará com o julgamento de outras raças de grande potencial. “A raça Angus vem com o maior número de animais, mas dentro da Expocampos vamos ter as outras raças que são importantes e valorizadas. Nós vamos ter inovações de outras raças que não tinham julgamento como Hereford e Bradford, e um maior número de animais da raça Simental e o charolês que vem se reinventando e vai estar presente fortemente na Expocampos”, acrescentou o presidente. Nestes eventos é possível verificar quais animais tem mais vantagens e qual deles será melhor aproveitado nas propriedades de acordo coma realidade e intenções do produtor. No geral os pecuaristas buscam animais que apresentem fertilidade, aptidão materna, rusticidade, rendimento de carcaça, que seja um animal precoce, com evolução rápida e que sua conversão em carne aconteça em pouco tempo e que sejam menos suscetíveis a doenças. E por meio da amostra de animais na feira o produtor pode ficar por dentro do que pode ser mais vantajoso para ele. “Vamos tentar oferecer o que o produtor quer dentro da Expocampos. Vamos oferecer as tecnologias, seja por meio de amostra de animais, seja por meio de tecnologias apresentadas pelas empresas, como tipo s de sêmen para se adaptar a realidade de cada produtor. Essas raças apresentadas tem um grande potencial produtivo e se adaptam a região”, ressaltou. Os valores dos animais comercializados são bem relativos e dependem do sexo, da idade, dos títulos conquistados, do potencial reprodutivo e da raça, cada animal tem um valor agregado.

Para este ano as empresas e associações de produtores organizarão treinamentos e palestras para os pecuaristas. De acordo com Gris, eles terão autonomia para organizar o que for do interesse de cada associação, assim como para definir e organizar as raças e os critérios a serem julgados. O Sindicato dos Produtores dos Rurais é responsável somente pela parte de fomento e organizacional do evento. “As associações de cada raça é que vão estabelecer seus próprios critérios. Algumas empresas participantes estão organizando palestras e treinamentos para os pecuaristas. Não é mais de responsabilidade do Sindicato”, explicou. Gris adiantou que o parque já está sendo preparado para receber os animais. Estão sendo construidas 25 novas baias com recursos próprios do sindicato para atender o leilão e a Prefeitura estará organizando as tendas.

Gris, em seu segundo ano como presidente do sindicato, destaca a importância do evento para o município e para a pecuária e ressalta a importância dos recursos investidos para a realização do evento. “O evento vem se aperfeiçoando ao longo dos anos. Neste período a Expocampos serviu como um fomentador do setor pecuário através dos leilões e das exposições, mostrando aos pecuaristas que mesmo com o avanço das lavouras a pecuária evoluiu bastante e ainda pode ser rentável ao produtor. Tem um custo alto, mas temos um retorno muito maior que nem dá para mensurar. A visibilidade dos julgamentos das raças e da qualidade dos animais atrai muitas pessoas de fora para comprar os animais. É um evento que sempre tem que ter continuidade porque é bom para o município”, conclui.

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1577 de 09 de Maio de 2019.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *