Foram apresentados nessa quarta-feira (29) na sede do Sindicado dos Produtores Rurais de Campos Novos os dados da produção agrícola das últimas safras de soja, milho e feijão do município de Campos Novos.

Denominado de projeto Campo Futuro a ação é promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC).

O principal objetivo do estudo realizado com pelos técnicos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), Renato Garcia e Júlio Natalino, os quais levantaram o custo de produção das principais atividades agropecuárias do agronegócio brasileiro e comparando com a realidade da nossa região.

Os dados apresentados foram disponibilizados aos produtores rurais e técnicos agrícolas de cooperativas de Campos Novos que poderão auxiliar os produtores do município na gestão de sua propriedade contribuindo para tomada de decisões assertivas no campo.

O coordenador de Produção Agrícola da CNA, Alan Malinski, participou da coleta de dados e informou que o desenvolvimento das lavouras foi prejudicado pela estiagem de dezembro e pelo excesso de chuva em março e abril.

Soja

“A produtividade da soja ficou 10% superior em relação à safra passada, mas ficou duas sacas abaixo da média esperada. A produtividade de milho totalizou 185 sacas por hectare, mas o potencial esperado era acima de 200 sacas/ha”.

Segundo Alan, devido ao ganho de produtividade e o melhor preço de venda da soja, a receita do produtor teve um incremento de 15% em relação à última safra. Entretanto, a necessidade de aumentar os tratos com a cultura e os custos com defensivos tiveram incremento em média de 19%. “Mesmo com os aumentos dos custos, as margens foram positivas e ficaram acima da safra passada”.

Milho

Com relação ao milho, a receita também foi melhor que a safra anterior devido aos rendimentos das lavouras e os melhores preços do cereal. “Em compensação, os custos com insumos tiveram incremento de 16% e o Custo Operacional Efetivo finalizou com elevação de 3% em relação ao mesmo período da safra passada. A margem bruta do cereal teve um incremento de aproximadamente 7% nessa safra”.

Feijão

O feijão carioca foi a cultura que apresentou o melhor resultado. De acordo com o coordenador de Produção Agrícola da CNA, a produtividade foi 17% superior à safra passada e os preços de venda ficaram em média de R$ 180, ante R$ 95 da última safra. “Os custos tiveram incremente médio de 3%, entretanto, devido aos bons preços de venda, a margem bruta do feijão obteve resultado”.

*Informações: Lucas Drum – Rádio Cultura