Quarta-feira , 18 Setembro 2019
Home / Opinião / Editorial / Acordar para a Vida

Acordar para a Vida

Quando as pessoas acordam pela manhã, mesmo com preguiça, elas levantam e fazem tudo que tem que fazer: tomam banho, escovam os dentes e cada uma segue a sua rotina que tem que ser cumprida. Porém, há casos em que mesmo acordadas, algumas parecem que andam dormindo, estão em constante sonolência. Vivem no automático. São reféns da rotina. Começam e terminam o dia sem entusiasmo, sem sonhos, sem esperança. Colocam o despertador para acordar do sono no outro dia, mas não colocam um despertador para acordarem para a vida.

Acordar para a vida é sair da zona de conforto. É fazer o que nunca fez. É começar do zero, uma, duas, cinco, dez vezes, e quantas vezes for preciso. É deixar que o frio na barriga tome conta toda vez que estiver diante de algo novo. É correr atrás das paixões. É ver beleza nas pequenas coisas. É despertar com gratidão. É colocar o amor em tudo que fizer. É mais fácil reclamar da vida, xingar quem nos ofendeu, trancar a cara diante de um dia ruim. Mas vale a pena promover essa mudança interna.

Assim como no dia a dia, as pessoas adiam por cinco ou dez minutinhos a saída da cama, assim também é processo de acordar para a vida. Não é da noite para o dia que vamos acordar com toda a disposição do mundo para descobrir o universo. É aos poucos, requer esforço e investimento. O despertar começa de dentro. Não adianta empreender uma viagem, entrar numa aula de dança, começar a fazer tudo diferente, se dentro de si não houve uma mudança de verdade.

No jornal de hoje há uma matéria que relata as experiências de algumas pessoas que resolveram sair de sua zona de conforto e decidiram fazer um treinamento comportamental de desenvolvimento emocional e relações humanas. Os relatos são surpreendentemente simples, de pessoas que perceberam que com tão pouco é possível melhorar, conhecer a si mesmo, e ter uma vida mais significativa. Eles não precisaram deixar sua rotina, jogar tudo para o alto e correr mundo a fora. Eles apenas aprenderam a ressignificar seu olhar para o mundo e para si.

Não é preciso ir longe demais. Não é preciso fazer extravagâncias, nem é preciso ter muito dinheiro. Acordar para vida é ter um novo olhar sobras as pessoas, sobre os momentos, sobre a vida. É aproveitar os momentos com quem se ama, é aprender algo novo, é dedicar-se para ajudar alguém, é ficar feliz com o sorriso que provocou no outro.

Por: Priscila Nascimento, Jornalista

*Editorial publicado no jornal “O Celeiro”, Edição 1588 de 25 de Julho de 2019.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *