Quarta-feira , 18 Setembro 2019
Home / Agronegócio / Governo vai editar MP para isentar agrotóxicos até 31 de dezembro

Governo vai editar MP para isentar agrotóxicos até 31 de dezembro

Executivo quer criar regra de escalonamento para aplicar mais tributos sobre defensivos com maior periculosidade 

O governo do Estado anunciou nesta quinta-feira (22) que vai editar uma Medida Provisória para garantir a isenção total de ICMS sobre agrotóxicos até 31 de dezembro de 2019. A iniciativa foi tomada após encontro com líderes do setor do agronegócio na Casa d’Agronômica, em Florianópolis. A MP é retroativa a 1º de agosto.

Pela proposta do governo, o objetivo é adotar uma taxação escalonada a partir de 2020. O Executivo criou uma tabela para aplicar mais imposto sobre o defensivo agrícola conforme sua periculosidade.

“Ouvimos as reivindicações e construímos uma alternativa que atende o setor produtivo e à sociedade, que apoia a produção de alimentos mais saudáveis. O prazo [até dezembro] é necessário para que os agricultores possam ter o período para adaptação às novas regras”, disse o governador Carlos Moisés da Silva.

Segundo o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), José Zeferino Pedroso, a conversa foi difícil, já que o governador está comprometido com a ideia de taxar agrotóxicos. “É importante dizer que as discussões não param. Nós concordamos com a prorrogação e ele propôs essa regra, que ainda vai precisar de estudo, análise”, disse.

Para o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Santa Catarina (Fetaesc), José Walter Dresch, é preciso deixar claro que o acordo não atende “tudo aquilo que nós queríamos”, mas foi uma medida possível. “O grande pecado do governador foi não ouvir o setor produtivo. Nós estamos no oitavo mês de governo e é a primeira vez que o setor é recebido”, afirmou.

“Foi difícil a negociação. Demorou quase três horas e a gente não atendeu todo o objetivo. O principal objetivo que nós tínhamos é ganhar tempo para discutir esse escalonamento das alíquotas”, disse o presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (Fecoagro), Claudio Post.

O governo quer aplicar taxação com base em dados da Anvisa para quatro faixas de periculosidade de agrotóxicos. Aqueles que tem baixo risco, os orgânicos, terão 0% de ICMS. A partir destes, haverá taxação de 7%, 12% e até 17%.

Segundo Post, os defensivos mais perigosos não representam 10% do utilizado no Estado. “A grande maioria dos defensivos usados em Santa Catarina ficariam na faixa de isento ou pequena taxação”, disse.

O setor produtivo vai aproveitar o segundo semestre para aprofundar estudos sobre a regra apresentada pelo governo e, se necessário, construir uma contraproposta.

*Informações: Rede Catarinense de Notícias

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *