Quarta-feira , 18 Setembro 2019
Home / Opinião / Colunistas / Ansiedade de separação em cães

Ansiedade de separação em cães

Alexandra Niec

Quem não adora chegar em casa depois de um dia cansativo e ser recebido com muita alegria pelo o seu cachorro?

Mas, quando olha a sua volta percebe que a almofada predileta está destruída, tem xixi e coco por todos os lugares e havaianas virou uma peça moderna sem definição. Enquanto a arrumação da casa começa, o cachorro fica o tempo todo atrás de você, te acompanhando. Finalmente você deixa a casa em ordem e vai tomar aquele tão desejado banho, e o seu cãozinho te acompanha até o banheiro e não sai dali por nada.Finalmente hora de dormir, e claro que junto com seu peludo na cama. Afinal ele passou o dia inteiro sozinho e está carente.

Provavelmente seu cachorro está sofrendo de um distúrbio comportamental conhecido como Síndrome de Ansiedade de Separação (SAS) ou ansiedade de separação em cães. Basicamente, o animal se comporta inadequadamente (destruição, latidos em excesso, xixi no lugar errado, coco no lugar errado etc.) em reposta ao estresse de separação do seu dono.

Uma das principais causas para esse tipo de distúrbio é mimar o cachorro exageradamente e não acostumar o seu peludo a ficar um período de tempo sozinho, criando por fim uma relação extremamente dependente entre cão e dono.

É importante ressaltar que cada caso é um caso e deve ser analisado por um profissional, fazendo um levantamento da saúde e histórico do comportamento do animal para que seja possível chegar ao diagnóstico de síndrome de ansiedade de separação. Pode ser que o motivo do seu cãozinho fazer xixi fora do lugar seja um problema de saúde e não comportamental.

Quando o cachorro manifesta comportamentos ansiosos na ausência do proprietário, mesmo com outras pessoas presentes, já se pode suspeitar de síndrome de ansiedade de separação.

Alguns motivos que podem vir a causar a síndrome de ansiedade de separação em cães são:
• Não acostumar o peludo a ficar sozinho durante alguns períodos do dia;
• Separação precoce da mãe e da ninhada;
• Evento traumático na ausência do proprietário (ficar preso em algum lugar, tempestades, fogos de artifício, explosões, invasões na residência etc);
• Alteração do ambiente em que o cachorro vive;
• Chegada de um novo animal na casa.

TRATAMENTO: Primeiramente é necessário compreender qual real motivo desencadeou esse estresse e ansiedade e mostrar apoio ao animal, mudando alguns aspectos de seu próprio comportamento bem como atacando a origem do problema do bichinho. Se o animal está nesse estado foi porque o estímulo comportamental do cão foi reforçado a estar assim, desse modo, é necessário identificar os estímulos certos para que o cachorro consiga superar o trauma, fazendo reforço positivo.

O tratamento multidisciplinar, que combina ações do proprietário junto a profissionais, também é recomendado, pois é possível a realização do treino para obediência e a prática de estímulos que antecedem a partida do dono.

Por: Alexandra Niec
Médica Veretinária – CRMV/SC 5056
Veterinária da Clínica Bicho Mania

*Coluna “Cuidado com Pets” publicada no jornal “O Celeiro”, edição 1594 de 05 de setembro de 2019.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *