Segunda-feira , 17 Dezembro 2018
Home / Segurança / Promotoria de Campos Novos faz apelo para que juiz participe de audiências de retratação da Lei maria da Penha

Promotoria de Campos Novos faz apelo para que juiz participe de audiências de retratação da Lei maria da Penha

Audiências que deveriam ser realizadas por juiz é feita por estagiário. Promotora Raquel Blank já formalizou 13 reclamações ao Tribunal de Justiça.

A promotora de Justiça da 3° Promotoria de Justiça do município de Campos Novos, Raquel Blank, informou a imprensa que em Campos Novos tem acontecido uma situação que a preocupa, pois, as audiências de retratação estabelecidas na Lei Maria da Penha, em que a mulher decide perdoar o marido, estão sendo realizadas perante um estagiário da promotoria. De acordo com a promotora Raquel, a ação não cumpre com o artigo 16 da Lei Maria da Penha que determina que a mulher só poderá se retratar perante a autoridade judicial, que é o juiz. Raquel defende que a presença de um juiz na realização do ato dá a mulher mais segurança. “Neste momento a mulher se sente valorizada e entendida pelo juiz e promotor da comarca. É uma oportunidade para empoderar a mulher e que ela possa ser instruída a respeito dos direitos dela para sair de um ciclo de violência. Minha posição enquanto promotora de justiça é que essa situação é um erro, porque a lei estabelece de forma clara que essa retratação tem que ser perante o juiz”, comenta.

Outra preocupação que a Dra. Raquel comenta é que a situação de violência doméstica não tem diminuído em Campos Novos. Segundo os dados da Policia Militar o número de vários crimes tem diminuído, mas os crimes contra a mulher não diminuíram, e para a Dra. Raquel essa situação acontece devido a decisão de retratação da mulher, que após denunciar o agressor decide perdoar e voltar atrás na denúncia. Esta retratação talvez aconteça em virtude da dependência financeira da mulher, por receio de perder a guarda dos filhos, por acreditar que o homem vá mudar de atitude, ou por medo de retaliações. Portanto, durante a audiência de retratação a presença do juiz poderá ser eficaz em identificar os motivos por trás da retratação, e ele é a autoridade apta em orientar tal mulher que provavelmente estará enfrentando ameaças físicas ou psicológicas.

É importante que a população conheça as leis e exija que esta retratação seja feita perante o juiz, esta é uma forma de contribuir para a diminuição da cultura de violência contra a mulher. E as autoridades que estão em suas posições para ajudar as pessoas devem fazer o possível para que os direitos de todos sejam defendidos. Em virtude do que tem acontecido em Campos Novos, em que o ato tem sido realizado por um estagiário, a promotora Raquel se manifestou formalmente e pediu que para que o juiz conduzisse a audiência, mas o juiz não mudou sua posição. “Quando cheguei em Campos Novos a audiência de retratação da lei Maria da Penha não era realizada pelo juiz porque estávamos sem juiz titular. Agora que ele chegou, então fiz um pedido para que a lei fosse cumprida em especial no seu artigo 16. Fomos intimados da decisão dele no sentido de que ele mantinha sua posição, e que um servidor, que na verdade é um estagiário, fizesse essa audiência, entendendo que não haveria prejuízo. Mas eu avalio que há um prejuízo grave para as mulheres, e com base nisso interpusemos treze reclamações desses processos no tribunal de justiça”, afirma.

A questão da violência doméstica é um assunto muito sério, e que precisa ser bem observada pelas autoridades, pois tem mulheres que se sujeitam por anos a atos violentos, e mesmo diante de lei que as amparam, elas se mantem num ciclo em que parece não ter solução. Algumas mulheres até denunciam, mas depois se arrependem e querem se retratar. Mas a Lei prevê situações em que alguns crimes não há a possibilidade de retratação. A luta neste sentido é conscientiza-las sobre a importância de denunciar e entenderem que elas podem ter uma vida mais digna e sem violência.

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1549 de 04 de outubro de 2018″.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *